AGRADECIMENTOS

Agradecemos a todos os colaboradores do Painel Global que têm tornado possível a continuidade do nosso trabalho, permitindo que os conteúdos permaneçam gratuitos e acessíveis a todos.

Nosso Muito Obrigado!

A campanha continua. Colabore também. Clique aqui.

Quarta-feira, 20 mai 2020 - 11h02
Por Maria Clara Machado

Região Sul tem aumento avassalador de queimadas este ano

Dados atualizados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) mostram que os números de focos de fogo no Sul do Brasil estão batendo recordes. O Rio Grande do Sul acumula a maior quantidade de queimadas desde o início das medições em 1999. Já Santa Catarina e Paraná registram o maior número de focos desde 2006. Outros estados também estão em destaque no ranking.

Incêndio em mata de Santa Catarina este mês. Estado teve aumento de 679% no número de focos de fogo até 19 de maio comparado com o mesmo período do ano passado. Crédito: Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina.
Incêndio em mata de Santa Catarina este mês. Estado teve aumento de 679% no número de focos de fogo até 19 de maio comparado com o mesmo período do ano passado. Crédito: Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina.

Aumento avassalador no Sul
O Programa de Queimadas do INPE baseado em dados capturados por satélites da NASA e da NOAA detectou entre os dias primeiro de janeiro e 19 de maio de 2020, 1.060 focos de fogo no Rio Grande do Sul, 746 focos no Paraná e 678 focos em Santa Catarina.

Na comparação com o mesmo período em 2019, a porcentagem de aumento surpreende. O aumento foi de 679% em Santa Catarina, 319% no Rio Grande do Sul e 202% no Paraná.

Levando em conta ainda comparações com anos anteriores, a quantidade de queimadas no Rio Grande do Sul em 2020 é a maior em 21 anos. Os registros deste ano em Santa Catarina e no Paraná são os mais elevados em 14 anos. Os dados são recentes e estão disponíveis pelo INPE.

Um dos fatores agravante para o aumento avassalador das queimadas no Sul especialmente nos últimos dois meses é a estiagem prolongada que a Região enfrenta e só aumenta o risco de fogo na vegetação.

Nestes 19 dias de maio, o Rio Grande do Sul aparece em segundo lugar no ranking de queimadas do Brasil. O estado gaúcho acumula sozinho 255 focos de fogo, perdendo apenas para Mato Grosso que tem 384 pontos.

Situação no Brasil
Outros estados do Brasil também tiveram um salto no número de focos de fogo nestes primeiros meses de 2020 na comparação com o mesmo período do ano passado e merecem destaque.

Nas Regiões Centro-Oeste e Sudeste podemos destacar Mato Grosso do Sul que quase dobrou o número de focos, está com mais de 2 mil, representando um aumento de 87%. Mato Grosso acumula mais de 4 mil focos, um aumento de 17% até agora. São Paulo chega a quase 700 focos de fogo, representando um aumento de 118%.

Na Região Norte, o número de focos de incêndio detectado pelo INPE no Amazonas chega a 362 desde o começo de 2020, um aumento de 38% na comparação com o mesmo período em 2019. Em Rondônia, o aumento é de 36% com registro de 176 focos desde janeiro deste ano.

Já na Região Nordeste, o aumento foi superior a 50% na Paraíba e em Pernambuco, que estão com 83 e 168 focos acumulados respectivamente até agora. O Rio Grande do Norte teve aumento de 67% e está com registro de 47 focos de queimadas.

Estados que tiveram boa queda nos números!
No ranking de queimadas no Brasil alguns estados estão com melhores resultados.
O total de queimadas na Bahia, no Ceará e no Maranhão, na Região Nordeste, caiu cerca da metade até maio deste ano comparando com o mesmo período do ano passado. Vale destacar a Bahia que registra 581 focos de fogo contra 1.330 em 2019, uma queda de 56%.

Uma mudança significativa também aconteceu em Roraima, que teve queda de 64% no número de queimadas até agora. O total soma 1.648 contra 4.595 no mesmo intervalo do ano passado.

O período de estiagem em particular nas Regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul se prolonga pelo inverno e ainda serão vários meses de pouca chuva. A vegetação seca, a baixa umidade do ar e a falta de chuva aumentam o risco de fogo nas matas. Somado as condições do tempo desfavoráveis, a ação humana é fator crucial. Impedir o surgimento de novas queimadas ilegais ou espontâneas e o combate ao desmatamento são fatores determinantes nestes números.



Procure no Painel


Links Úteis  |  Imprensa  |  Anuncie  |  Fale Conosco  |  Versão Celular  |   Política de Privacidade

Painelglobal.com.br - Todos os direitos reservados - 2008 - 2020