Dias   1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12 | 13 | 14 | 15 |
16 | 17 | 18 | 19 | 20 | 21 | 22 | 23 | 24 | 25 | 26 | 27 | 28 | 29 | 30 | 31 |


    1
Astroman      
Em um paper publicado nesta semana na NATURE uma equipe de físicos propões que o SOL poderia ser capaz de produzir tempestades solares muitas vezes piores do que já foi visto. No começo do ano, uma equipe de cientistas japoneses descobriu um salto de Carbon-14 nos anéis de cedros japoneses mas não conseguiram explicá-lo. (O estudo do desenvolvimento de árvores através dos anéis é capaz de dar dicas sobre as condições atmosféricas ao longo de seu crescimento). Um físico da Universidade de Kansas, líder do novo estudo em questão, diz que os japoneses não levaram em consideração a possibilidade de uma gigantesca tempestade solar. Essa tempestade poderia ter ocorrido entre os anos 774-75dc. e pode ter sido 60 vezes maior do que a que atingiu Quebec em 1989. O estudo não afirma e nem conclui que foi isso que ocorreu mas coloca como uma possibilidade.


    2
Astroman      
Mais uma EMC misteriosa que estava prevista para chegar ontem mas não chegou ou se move a uma velocidade baixa e ainda vai chegar. Vai saber. O que me intriga é que instrumentos como os magnetômetros do Alaska apresentam leituras conflitantes. O Induction Magetometer apresenta alterações - como se houvesse a chegada da EMC - mas o Magnetômetro está zerado - como se nada ainda tivesse acontecido. As alterações no Induction começaram ao fim do dia 29 e subsistem até o momento em que escrevo. haarp.alaska.edu -> On-Line Data
Astroman comentou
*Magnetometer
Administrador comentou
Olá Astroman! É importante lembrar que o uso do magnetômetro na Universidade do Alasca não está relacionado somente à atividade solar. Muitas coisas podem fazer variar as indicações e uma delas é justamente a atividade principal do projeto HAARP, que é a excitação da ionosfera através de ondas de rádio. Seria interessante analisar outros instrumentos ao mesmo tempo, mas localizado em lugares diferentes de latitudes próximas. Assim, seria possível separar uma anomalia em escala global de outras localizadas.
Astroman comentou
Obrigado por esclarecer Rogério. Desconfiava mesmo que estava faltando alguma informação que poderia estar me levando a conclusões precipitadas e erradas. Seguimos no aprendizado constante. Abraço!
Ítalo comentou
Rogério, qual seria o objetivo do projeto HAARP ao excitar a ionosfera? Onde se pretende chegar com o projeto? Procurei na web, mas como os sites conspiracionistas são muitos, não achei nada confiável.
Astroman comentou
Desculpe me intrometer Ítalo, mas no próprio site existe a definição do trabalho deles por eles mesmos. O endereço está acima, em meu post.
everton dos santos comentou
ítalo, a ionosfera é o meio de propagação de ondas de radio em alta frequência, sinas de satélites de comunicação, sistemas de navegação, etc. As alterações na ionosfera afetam esses sistemas e os estudos do Haarp são p/ entender esses processos, melhorando o desempenho deles, além de criar novas tecnologias.
Ítalo comentou
Desculpe Astroman, eu não tinha visto. Obrigado Everton e Astroman. Agora eu entendi :)
ORTIZ comentou
Ótimas dicas, Astroman.



Painelglobal.com.br - Todos os direitos reservados - 2008 - 2017
Política de Privacidade