Dias   1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12 | 13 | 14 | 15 |
16 | 17 | 18 | 19 | 20 | 21 | 22 | 23 | 24 | 25 | 26 | 27 | 28 | 29 | 30 | 31 |


    1
Henrique Kempner      
Um enorme buraco negro com massa 100 mil vezes maior que o Sol foi encontrado escondido em uma nuvem de gás tóxico que flutua ao redor do "coração" da Via Láctea. Se a descoberta dos astrônomos - publicada pela Nature Astronomy - for confirmada, o gigante será o segundo maior buraco negro já visto na Via Láctea. Ele seria superado apenas pelo buraco negro conhecido como Sagitário A, ancorado no centro da galáxia- for confirmada, o gigante será o segundo maior buraco negro já visto na Via Láctea. Ele seria superado apenas pelo buraco negro conhecido como Sagitário A, ancorado no centro da galáxia Astrônomos do Japão encontraram evidências do buraco negro quando colocaram um poderoso telescópio no deserto de Atacama, no Chile. A esperança dos estudiosos era entender o estranho movimento de seus gases.
Henrique Kempner comentou
Fonte: Site UOL
bbonic comentou
Interessante, apenas fiquei intrigado com a nuvem de gás tóxico, deve ser algum erro de tradução.


    2
Henrique Kempner      
Quase um mês desde o r ecuo do mar no litoral do paranaense, moradores e turistas viram as praias e baías do estado retrocederem mais uma vez neste final de semana, o que deixou muitos trapiches secos, atracadouros vazios e até mesmo algumas embarcações encalhadas. E, por mais impactante que seja ver o litoral nessa situação, especialistas explicam que o fenômeno não é motivo para preocupação. Segundo o professor de Engenharia Ambiental da UFPR e Doutor em Engenharia Oceânica, Eduardo Gobbi, o evento é incomum, mas não significa que exista algo de errado. “Aconteceu algo atípico, mas é possível garantir é que não tem nada de mais. Estou muito surpreso e muito curioso, porque em 25 anos nunca tinha visto algo assim”, pontua. Gobbi destaca que não existem motivos para a população se preocupar com fenômenos fora do comum, como tsunamis por exemplo. A baixa ainda maior dos últimos dias seria resultado da confluência de vários fatores, entre eles a maré baixa, em função da fase de lua cheia, além da zona de alta pressão que estacionou sobre o Oceano Atlântico há cerca de um mês. “Aparentemente, o mar não voltou. O centro de alta pressão está estabelecido desde aquela época e, como ele gira em sentido anti-horário, gera um vento sul sistemático. Essa constância dificulta o retorno ao normal”, aponta o professor. O especialista destaca, no entanto, que as explicações sobre o caso são baseadas em hipóteses, formuladas a partir do conhecimento teórico sobre o comportamento do oceano. Para ele, faltam dados para que se tenha uma certeza maior. “Estou supondo, porque a gente não mede, não monitora. A falta de dados consistentes leva a essa situação de especulação”, reclamou. Monitoramento Por essa razão, ele conta que trabalha para começar um sistema que possibilite a coleta de tais dados, a fim de prever eventos futuros e ampliar o entendimento de fenômenos como o recuo da maré. O professor, que trabalha em parceria com o Simepar em diversos projetos, usa o instituto de meteorologia como exemplo a ser seguido, já que ampliou sua capacidade de entendimento e de previsão em relação ao tempo com a medição regular e a ampliação do monitoramento graças ao uso de satélites e sensores. “Vamos fazer um TCC para montar uma rede de medição de nível de mar. Medir o nível é simples, e nós não temos. Seria muito importante ter esse sistema operacional, porque as variáveis oceanográficas a gente não conhece, então ficamos muito sobre a teoria dos livros”, disse.
Henrique Kempner comentou
Fonte: Gazeta do Povo - Curitiba PR


    3
Dione Moraes      
Com relação ao post 116 do nosso administrador Rogério, eis as últimas informações sobre o furacão Irmã: Passou para categoria 4, e o NHC emitiu avisos para EUA, Porto Rico e Ilhas Virgens Britânicas. Vídeo com mais informações no link abaixo. [Ver site]
Luis DAngelo comentou
Atualizacao 11am: Furacao Irma, Categoria 5 com ventos de 180mph, deslocando a 10mph. O registro mais forte foi do Furacao Allen em 1980, com ventos de 190 mph.
Rejaine Monteiro comentou
Opa... vamos acompanhar. Se continuar assim, vai causar muitos danos.
Rejaine Monteiro comentou
Imagens do furacão IRMA registradas pela ISS em de setembro: [Ver site]
Luis DAngelo comentou
Neste momento existem 3 aeronaves voando na regiao do Irma. NOAA42, NOAA49, e USAF C-130, todos provendo informacoes criticas objetivando previsao mais acurada. As fotos obtidas desdes voos no "olho do furacao" sao impressionantes,
Dione Moraes comentou
Sim. O furacão Irmã atingiu categoria 5 com ventos de 280 Km/h e avança para Cuba e sul da Flórida.
Dione Moraes comentou
Escreva um com
Dione Moraes comentou
Dentro do olho de furacão Irm, na WP-3D Orion. Crédito CDR Kibbey/NOAA.



Painelglobal.com.br - Todos os direitos reservados - 2008 - 2020
Política de Privacidade