Quinta-feira, 6 jan 2022 - 17h01
Por Maria Clara Machado

Cheias no Maranhão provocam enchentes em dez municípios e estado continua em alerta

As fortes chuvas observadas no Maranhão desde o final de dezembro estão castigando o interior do estado. As cheias dos rios como o Itapecuru e o Tocantins deixam áreas submersas em pelo menos dez municípios e centenas de famílias estão desabrigadas. A capital, São Luís, também não foi poupada pelas chuvas volumosas.

Imperatriz e Mirador estão entre as cidades mais afetadas pelas enchentes dos últimos dias no Maranhão e famílias começam a recer ajuda. Crédito: Divulgação facebook/governodomaranhao
Imperatriz e Mirador estão entre as cidades mais afetadas pelas enchentes dos últimos dias no Maranhão e famílias começam a recer ajuda. Crédito: Divulgação facebook/governodomaranhao

Os rios das regiões leste e sul do estado continuam sendo monitorados constantemente pela Defesa Civil e o Corpo de Bombeiros do estado, onde ocorreram vários estragos causados pelas enchentes dos últimos dias.

A água cobriu pastagens, pontes, ruas, destruiu casas e também inundou plantações de soja no sul do estado.

A situação é considerada mais crítica no leste do estado. Mirador, por exemplo, foi arrasado e está em situação de emergência, após o transbordamento dos rios Itapecuru e Alpercatas ter inundado grande parte do centro da cidade e isolado comunidades. Cerca de 6 mil pessoas foram afetadas pelos alagamentos.

Mirador está em situação de emergência após transbordamentos de rios que isolaram grande parte da cidade. Crédito: Divulgação facebook/governodomaranhao
Mirador está em situação de emergência após transbordamentos de rios que isolaram grande parte da cidade. Crédito: Divulgação facebook/governodomaranhao

Desde ontem a prefeitura de São Luís intensificou o monitoramento em 60 áreas de risco mapeadas pela Defesa Civil municipal, após as chuvas volumosas que também atingiram a capital.

Em todo o estado do Maranhão, dez municípios foram afetados diretamente pelas cheias dos rios e outros doze estão em estado de alerta.

Orientações da Defesa Civil
A época de chuva no Maranhão se entende normalmente de janeiro a junho e os agentes da Defesa Civil atendem além das áreas mapeadas, as ocorrências emergenciais. Alguns sinais são indicados como situação de alerta tais como inclinação de postes e árvores, movimentação de terra ou rochas, assim como o aparecimento de rachaduras em muros e paredes.

Defesa Civil monitora 60 áreas de risco em São Luís, após chuvas volumosas dos últimos dias. Crédito: Divulgação Defesa Civil
Defesa Civil monitora 60 áreas de risco em São Luís, após chuvas volumosas dos últimos dias. Crédito: Divulgação Defesa Civil

A Defesa Civil afirma que algumas orientações são importantes para quem mora em áreas de risco, como a preservação da vegetação com raízes maiores que ajudam na fixação do solo e por outro lado, sem a plantação de bananeiras ou de outras raízes curtas, que não fixam o solo e acabam aumentando os riscos de deslizamentos.

O descarte do lixo de maneira correta também é importantíssimo, pois o acúmulo nas ruas juntamente com o grande volume de água neste período normalmente resulta em bueiros, galerias e bocas de lobo entupidas e alagamentos.

Alerta permanece
O Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) mantém em vigor alertas de perigo para chuvas intensas no sul do Maranhão e perigo potencial para chuvas fortes nas outras áreas do estado, incluindo a capital. O volume de chuva previsto tem potencial para causar novas enchentes.



Procure no Painel


Links Úteis  |  Imprensa  |  Anuncie  |  Fale Conosco  |  Versão Celular  |   Política de Privacidade

Painelglobal.com.br - Todos os direitos reservados - 2008 - 2022