Quarta-feira, 26 jan 2022 - 09h58
Por Maria Clara Machado

Ciclone tropical Ana faz mais de 40 vítimas fatais em Madagascar, Moçambique e Malawi

O ciclone tropical Ana deixou um rastro de destruição e já fez mais de 40 vítimas fatais após impactar a ilha de Madagascar, Moçambique e Malawi, no sudeste da África, nos últimos dias. O ciclone atravessou o Canal de Moçambique e provocou graves inundações. Há milhares em centros de evacuação e as equipes de resgate procuram por desaparecidos.

Província de Tete, em Moçambique, teve graves inundações com a passagem do ciclone tropical Ana. Crédito: Reprodução imagem divulgada pelo twitter @MHuriroOliver
Província de Tete, em Moçambique, teve graves inundações com a passagem do ciclone tropical Ana. Crédito: Reprodução imagem divulgada pelo twitter @MHuriroOliver

O balanço atualizado é de 34 mortos em Madagascar divulgado pela agência de gestão de catástrofes naturais. Moçambique e Malawi somam pelo menos nove vítimas fatais, mas este número pode aumentar porque ainda há dezenas de desaparecidos na região, segundo informaram as autoridades.

A província de Tete, no centro de Moçambique, foi uma das áreas mais afetadas com as cheias do rio Rovubue, que inundou vários bairros e provocou a morte de sete pessoas. A situação é considerada dramática e mais de 200 famílias tinham sido removidas das áreas de risco no final desta terça-feira.

Os ventos fortes e as chuvas intensas provocaram sérios danos ao continente quando o ciclone Ana, o primeiro da temporada de 2022, avançou por Moçambique na segunda-feira e na terça-feira depois de ter atravessado Madagascar um dia antes.

A Cruz Vermelha estima que aproximadamente 16 mil pessoas foram afetadas diretamente no sul de Malawi e as operações de busca e resgate continuam.

Vista aérea da capital de Madagascar, Antananarivo, fortemente impactada pelo ciclone tropical Ana. Crédito: Reprodução imagem divulgada pelo twitter @MhuriroOliver
Vista aérea da capital de Madagascar, Antananarivo, fortemente impactada pelo ciclone tropical Ana. Crédito: Reprodução imagem divulgada pelo twitter @MhuriroOliver

Casas submersas e apagão
Enquanto estradas estão intransitáveis e casas e plantações submersas, milhares de pessoas foram para centros de evacuação e começaram a receber ajuda como comida, água potável e utensílios desde a terça-feira.

Imagem de satélite mostra o ciclone tropical Ana tocando o solo de Moçambique no dia 24 de janeiro. Crédito: Worldview/NASA
Imagem de satélite mostra o ciclone tropical Ana tocando o solo de Moçambique no dia 24 de janeiro. Crédito: Worldview/NASA

A situação ficou ainda mais crítica com um apagão que tomou conta de Malawi. A Companhia de Geração de Energia de Malawi teve sua usina afetada por inundações repentinas e precisou desligar algumas máquinas interrompendo os serviços e deixando parte do país sem energia elétrica.

Os hospitais e os centros de saúde pequenos estão dependendo no momento de geradores e o cenário é preocupante em razão dos atendimentos adequados e do armazenamento de remédios que precisam ser mantidos em temperaturas específicas.

A região entre Madagascar e Moçambique vem sendo continuamente atingida ciclones tropicais cada vez mais fortes, muito em razão das águas quentes do oceano, afirmam os especialistas de clima.



Procure no Painel


Links Úteis  |  Imprensa  |  Anuncie  |  Fale Conosco  |  Versão Celular  |   Política de Privacidade

Painelglobal.com.br - Todos os direitos reservados - 2008 - 2022