Quarta-feira, 16 fev 2022 - 09h27
Por Maria Clara Machado

Evento extremo: Petrópolis tem a chuva do mês em poucas horas e 80 deslizamentos de terra

A serra fluminense continua em perigo para novos deslizamentos de terra depois da chuva torrencial de ontem, que ultrapassou 200 milímetros em Petrópolis e já deixou dezenas de mortos. A tragédia é mais um evento climático extremo resultado de uma chuva do tipo orográfica, segundo as explicações da meteorologia.

Temporal que começou no meio da tarde acumulou mais de 200 mm em Petrópolis nesta terça-feira. Crédito: Reprodução Redes Sociais
Temporal que começou no meio da tarde acumulou mais de 200 mm em Petrópolis nesta terça-feira. Crédito: Reprodução Redes Sociais

Situação dramática
A região estava sob aviso meteorológico desde o começo da semana para volumes altos e o que se observou foi uma situação bastante específica de acordo com a Climatempo.

Ventos vindos do oceano na costa do estado do Rio de Janeiro seguiram em direção a serra e ajudaram a concentrar muita umidade gerando as nuvens pesadas especificamente sobre a região de Petrópolis, despejando grande quantidade de chuva. Esta situação foi somada a presença de uma frente fria no Rio de Janeiro.

Na avaliação do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (CEMADEN) o evento climático extremo de Petrópolis foi provocado por uma Supercélula, fenômeno intenso e difícil de ser previsto. É um tipo de nuvem de tempestade que possui uma corrente de ar ascedente girando no interior. A Supercélula em geral fica isolada de outras tempestades e de maneira localizada provoca chuva muito volumosa e ventania. A evolução de Supercélula é perigosa, pois é quando ocorre a formação dos tornados.

O cenário devastador de Petrópolis lembra paisagens destruídas por uma bomba, tornados e tsunamis e foi considerado o evento de chuva mais extremo na cidade, desde que se iniciaram as medições meteorológicas em 1932.

O temporal da tarde da terça-feira resultou em muitos alagamentos, enxurradas assustadoras e graves deslizamentos de terra na cidade, que é toda cercada por morros.

Os socorristas trabalham nos resgates dramáticos entre muita destruição e lama espalhada desde ontem à noite e o balanço preliminar da Defesa Civil é de 80 deslizamentos de terra.

O Bairro Alto da Serra foi o mais atingido concentrando o maior número de deslizamentos de terra. Até o momento, são 38 mortos segundo o Corpo de Bombeiros, mas o número de vítimas poderá aumentar, pois há desaparecidos. O trabalho de resgate entre os escombros é difícil e prossegue o dia todo.

Confira imagens da chuva torrencial e da destruição em Petrópolis divulgadas no youtube:

260 milímetros de chuva
Petrópolis registrou até 260 milímetros de chuva em cerca de seis horas, mais do que o previsto para o mês todo, segundo informações da Defesa Civil e a Prefeitura decretou estado de Calamidade Pública. O alerta para novos deslizamentos de terra continua em razão do solo muito encharcado e da previsão de mais chuva nos próximos dias.

O Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) faz o alerta para mais chuva na região serrana fluminense, em Minas Gerais e aumentando no Espírito Santo.

A Região Sudeste do Brasil, incluindo a serra fluminense, tem histórico de temporais volumosos nos meses do verão. Os eventos atingem anualmente áreas de risco e vêm se tornando cada vez mais intensos, alertam os cientistas em clima.

As situações evidenciam a necessidade cada vez mais de uma preparação, investimentos e alertas para este tipo de tragédia climática.

Ouça o novo podcast NOAA aumenta chance do La Niña continuar

Acesse também:

Baixo volume de chuva no RS e em MS deixa mais 72 municípios em situação de emergência



Procure no Painel


Links Úteis  |  Imprensa  |  Anuncie  |  Fale Conosco  |  Versão Celular  |   Política de Privacidade

Painelglobal.com.br - Todos os direitos reservados - 2008 - 2022