Anônimo    Vitória - ES em 22/11 - 23h06   
Atividade Solar - Tempestades geomagnéticas são esperadas nesta sexta e no sábado, por conta de chegada de duas Ejeções de Massa Coronal na terra. A primeira ocorreu no dia 20, na erupção de um filamento e a previsão era de passar por nós no inicio do sábado. Mas a segunda EMC(gerada no flare M3 do dia 21) é mais rápida e a previsão é de chegada no inicio desta sexta-feira. É possivel que partes delas se juntem, o que já ocorreu no ano passado, com 3 EMCs. A previsão é de indice KP variando entre 5 e 7. Deve produzir muitas auroras boreais em meio a neve que está ocorrendo em partes do hemisfério norte.

Anônimo Vitória-ES comentou em 25/11 - 23h13
Obrigado pelas explanações aos colegas Admn., Luiz Dangelo, Sandra Silva, Rubens Prata, Ortiz e pela indicassão de pesquisa do colega Astroman.
Anônimo Rio de Janeiro-RJ comentou em 24/11 - 03h08
Sandra, ótimas suas considerações. Ao longo do tempo tenho feito ultrasonografia e TC devido as crises de pedras nos rins, mas nunca deu nada maligno, sendo a última em 2005. Entretanto agora em 2012, me deparei com um nódulo de cancer de 4,2 cm num dos rins e tive que retirar este rim, mas estou bem.Dizem os médicos que não há explicação plausivel para o aparecimento deste cancer. Me asustei estes dias, quando ví que os óleos de cozinha e os sacos de milho, tem a marca de produtos TRANGÊNICOS, que segundo alguns, podem ser a causa. No trabalho que vc apresentou não fala nada em "Carcinoma renal". Se vc tiver algo sobre o assunto, me envie por e-mail. Abçs
Anônimo São Paulo-SP comentou em 24/11 - 00h32
Essa não é uma discussão sobre saúde e sim sobre EFEITOS na saúde causadas ou não pela existência da AMAS sobre parte do nosso território. E a única medida pertinente seria a de maior incidência ou não de CÂNCER DE PELE nessas populações. Os outros tem tantos fatores envolvidos que não podem servir de base de comparação. E somente poderíamos chegar a alguma conclusão caso se desconfiasse de um aumento ou redução da intensidade da anomalia - aumento ou redução de incidência de UV nesse período - para se comparar com números obtidos durante um período anterior ao que causou a curiosidade desconfiada. Simplezinho assim.
Anônimo Santos-SP comentou em 23/11 - 23h20
Rubens, entendo sua dúvida e como trabalhei com informações e projetos, na área de saúde, acompanhava a divulgação de pesquisas sobre o assunto.

Segundo especialistas, existem fatores bem pontuais e claros que contribuem para esse número, os principais são a urbanização e a longevidade.

Por exemplo, em uma matéria o diretor do Instituto de Onco­­logia do Paraná e vice-presidente da Sociedade Brasileira de Cance­­rologia, Luiz Antônio Negrão Dias, diz que um dos grandes vilões é a alimentação, pois saímos do arroz com feijão nosso de cada dia, para "uma dieta cheia de fast-food e refrigerantes, rica em sódio, gorduras de origem animal, hormônios, aromatizantes, corantes e conservantes". Existe uma pesquisa, comprovada de que esses fatores aumentam a incidência de câncer da póstada, mama, bexiga e cólon retal. Que por sinal, são os mais incidentes nessas regiões. Se vc comparar os hábitos das regiões irá perceber a diferença alimentar. Falo isso porque grande parte de minha família é nordestina e conheço bem esses hábitos, mesmo com os fast-food se multiplicando por lá, ainda não é a mesma coisa que aqui.

Outro fator citado, como causa dessa diferença, que é a longevidade, me parece uma explicação bem lógica. Por se tratar de uma doença crônico-degenerativa, a possibilidade de incidência aumenta quanto maior for a idade.

Outro ponto que acredito deva contribuir para esse número, é a rede de saúde e procura por tratamentos. No Sul e Sudeste, devido a urbanização, existe uma rede maior e mais efetiva.

Bem, acredito eu, que só esses fatos por si mostram motivos suficientes para essa diferença. Se a anomalia do Atlântico Sul contribuir, não deve fazer tanta diferença assim. Nós mesmos estamos nos encarregando de provocar essa doença sem tanta ajuda solar. Claro, temos que lembrar do que sempre se fala, sol apenas nos horários apropriados e protetor solar, sempre.

Aqui tem um material do Ministério da Saúde rico em informações, principalmente para os amigos que gostam de estatística e comparações. [Ver site]

Administrador, não quero transformar esse post em um debate sobre saúde, esse não é o objetivo do Painel, mas, achei conveniente comentar para esclarecimento.

Anônimo Sao Vicente-SP comentou em 23/11 - 20h19
A pesquisa falava apenas que as regiões Sul e Sudeste tem os maiores índices de cancer (todos os tipos) no Brasil, não ligava ás condições da AMAS. Eu é que estou relacionando em função da posição em que se encontra e pelo fato que "sabermos" que a radiação solar é nociva. Independente das condições de vida dos povos dessas regiões.
Anônimo São Paulo-SP comentou em 23/11 - 16h31
Administrador, existem pesquisas que tentam comprovar uma relação ou não entre as duas coisas. Supor que POSSA haver relação é justificável. Há um pesquisador (Dr. Pieter Kotze) no Hermanus Magnetic Observatory - parte da South African National Space Agency - que pesquisa o enfraquecimento (já constatado) do campo magnético e suas consequências. Pesquisar uma POSSIBILIDADE não quer dizer que ela será confirmada mas somente que houve uma CURIOSIDADE CIENTÍFICA em relacionar os eventos.
Anônimo São Paulo-SP comentou em 23/11 - 16h07
Espero que não haja alterações de -1000nT ou mais nos magnetômetros.
Administrador São Paulo-SP comentou em 23/11 - 16h04
A pesquisa diz que essa incidência de câncer está ligada ao eletromagnetismo?
Administrador São Paulo-SP comentou em 23/11 - 16h03
Muito cuidado com a confusão entre "Câncer e eletromagnetismo" e "Cancer e Anomalia do Atlântico Sul". Uma coisa é uma coisa, ourta coisa é outra coisa. Frequentam o painel Global 12 mil pessoas por dia, então vejam a responsabilidade ao postar informações desse tipo. Grato.
Anônimo Houston, Texas-XX comentou em 23/11 - 16h03
Entender até onde realmente a atividade solar nos afeta ainda é um desafio muito grande. No caso do comentário do Ruben Prata o resultado desta pesquisa é muito confiável uma vez que esta ligado ao Ministerio da Saude. A ciência ainda tem muito que caminhar nas pesquisas no que diz respeito as consequências da atividade solar não só no planeta mas tambem nos seres humanos. Abraço a todos!!!
Administrador São Paulo-SP comentou em 23/11 - 15h59
Magnetômetro do Alasca disponível ao lado.
Anônimo São Paulo-SP comentou em 23/11 - 15h51
SPOCK, há esse estudo: Electromagnetic field and cancer "Science'' (USA) V 249 N 4973.p. 1- 96, 1990.
Anônimo Santos/SP-SP comentou em 23/11 - 15h45
Sim Alexandre, foi outro evento. Ainda não consegui atualizações sobre a possível EMC.

Quanto as outras que estão chegando, vamos monitorando nos gráficos [Ver site]

Anônimo Vitória-ES comentou em 23/11 - 14h41
Caro Rubens Prata...para encerrar neste post, por favor informe a pesquisa e o orgão confiável a respeito do tema.

Grato.

Anônimo Capinzal-SC comentou em 23/11 - 14h37
Esse rompimento de filamento é posterior as duas ejeções de massa coronal? E quanto as EMC's, já estão chegando a terra?
Anônimo Juiz de Fora-MG comentou em 23/11 - 14h02
Obrigado Meire, ficaremos no aguardo.
Anônimo Santos/SP-SP comentou em 23/11 - 13h55
Oi Jonas, foi outro sim.

Temos que aguardar atualizações da direção(creio que na nossa direção) e sobre a quantidade de massa coronal que foi ejetada. Logo teremos informações.

Anônimo Juiz de Fora-MG comentou em 23/11 - 13h42
Boa tarde a todos, Meire esse rompimento do filamento ocorreu por volta de 12:30 UTC, ou seja um evento diferente do que foi abordado pelo Everton no post original, com sua experiencia você acha que esse novo evento vai impactar a terra? e qual poderá ser sua magnitude? abraço a todos.
Anônimo Santos/SP-SP comentou em 23/11 - 13h20
O vídeo da erupção do filamento.(assistir em 480p).
Link

Anônimo São Paulo-SP comentou em 23/11 - 13h18
Acho a associação de ideais e cruzamento de infos muito desafiadora intelectualmente Rubens. Acho que merece uma pesquisa visando confirmar ou não uma suspeita. Eu mesmo faço várias dessas e tenho minhas próprias opiniões sobre muitos assuntos que tem respostas prontas oficiais. Infelizmente algumas suspeitas poderão continuar somente suspeitas por carência de material de pesquisa para fechar um raciocínio- como nessa questão levantada por você. Muitas vezes me satisfaço com as conclusões que tiro e observo se a minha teoria é válida sem me preocupar em mudar opiniões cristalizadas. O seu encadeamento de ideias é lógico e válido.
Anônimo Santos/SP-SP comentou em 23/11 - 13h01
O filamento rompeu!! Bem na nossa frente!
Anônimo Sao Vicente-SP comentou em 23/11 - 12h59
Adm. a pesquisa existe e foi divulgada por orgão confiável e eu estou fazendo esse questionamento com os colegas pensantes deste chat, não estou afirmando ! Minha intenção é incentivar o raciocínio e o cruzamento de infos. não a especulação...!
Administrador São Paulo-SP comentou em 23/11 - 12h47
Depende do tipo de câncer, qualidade de vida, tipo de alimentação, poder aquisitivo, acesso à informação, etc. Acredito que essa pergunta precisa ser pesquisada por especialistas em saúde. Associar a AMAS à incidência de câncer é um chute altamente maléfico e sem qualquer base. Nem sei se essa estatísitca está certa, mas se estiver acredito que a mesma fonte poderia lhe trazer maiores informações. Dizer isso aqui só cria mal-entendidos.
Anônimo Sao Vicente-SP comentou em 23/11 - 12h20
Minha pergunta tambem se baseia nas pesquisas de incidência de cancer, que nas regiões Sul e Sudeste são as maiores e bem acima das incidências na região Norte..Acho que isso diz algo...!
Anônimo - comentou em 23/11 - 11h46
Sobre a anomalia do Atlântico Sul, nada sofremos, mas os satélites e a ISS passam por períodos de stand-by quando estão nessa zona, mesmo com a blindagem utilizada, a radiação nessa região (200 KM de altura) é bem forte.. Lembrando que o Monte Everest tem um pouco mais que 8 KM de altura..
Anônimo Santos/SP-SP comentou em 23/11 - 10h16
Obrigada Everton.

Impressionante o tamanho desse filamento!
Link

Anônimo São Paulo-SP comentou em 23/11 - 09h39
Tenho as mesmas dúvidas que o Rubens.
Anônimo Sao Vicente-SP comentou em 23/11 - 07h29
Gostaria de saber qual o risco que corremos por conta da Anomalia do Atlantico Sul e essas violentas ejeções de massa coronal? Essa radiação não entra por essa falha no campo magnético, nem um pouco? Obrigado
Anônimo Juiz de Fora-MG comentou em 23/11 - 00h39
Obrigado pelas informações everton dos santos, lí todos os artigos que colocou no post, recomendo a todos... vale muito a pena ficar bem informado. abraço a todos.
Anônimo Vitória-ES comentou em 23/11 - 00h03
No facebook, há duvidas sobre a foto feita pela Meire [Ver no Painel Global] Então vai um resumo bem simples: A imagem mostra uma mancha solar, região escura no sol de intensa atividade magnética. Podem ser vistas da terra como auxilio de um telescópio/câmera e algum filtro. Não tentem a olho nu. Durante seu ciclo, uma mancha solar pode provocar explosões ou flares, emitindo leves ou intensos fluxos de raios-x, que interferem principalmente em sistemas de radiopropagação, comunicações. Durante a explosão, também pode ocorrer a expulsão de material solar, a Ejeção de Massa Coronal. Felizmente o nosso campo magnético nos protege dos efeitos nocivos da EMC. Mas se uma EMC muito forte nos atinge, podem ocorrer danos em satélites, redes elétricas dentre outros problemas. Efeitos extremos são raros. O que da p/ aproveitar são as belas Auroras boreais e austrais que ocorrem durante estes eventos. Aqui tem links com outras informações. O 1° tambem é sobre manchas. [Ver site] [Ver site] [Ver site] o video em anexo mostra o desenvolvimento de uma mancha solar.
Link

Anônimo Vitória-ES comentou em 22/11 - 23h51
Não há previsão quanto a isso mas um KP 7 pode causar interferências em sistemas de navegação e radio HF nas altas latitudes.
Anônimo Juiz de Fora-MG comentou em 22/11 - 23h34
Boa noite everton dos santos, é parece que nossa bela estrela está bem agitada nesses dias, existe alguma possibilidade de apagões ou prejuízos aqui na terra? Vamos acompanhar...













Painelglobal.com.br - Todos os direitos reservados - 2008 - 2021
Política de Privacidade