Dias   1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12 | 13 | 14 | 15 |
16 | 17 | 18 | 19 | 20 | 21 | 22 | 23 | 24 | 25 | 26 | 27 | 28 | 29 | 30 | 31 |


    1
Rejaine Monteiro      
Bom dia. Algumas fontes estão dizendo que a erupção de um filamento ocorrida ontem "poderia" estar direcionada a terra. Li essa informação inicialmente no SpaceWeather ([Ver site] ) mas pelos modelos do Apolo11, até o momento, parece que está mais direcionado a Marte. Sabe-se que os modelos podem sofrer alterações, portanto há alguma previsão de quando estará confirmado ou atualizado?
Rejaine Monteiro comentou
Segue o vídeo:
Link

Administrador comentou
Olá Rejaine! Esse é aquele filamento enorme que nós registramos ontem pela manhã, cuja foto está no post 116. É possível que parte do material atinja a Terra, mas vai precisar de uma segunda modelagem pra confirmar. :-)
Rejaine Monteiro comentou
Ok, Admin, vamos aguardar a atualização dos modelos então. A propósito, beleza de foto! Essa outra região que ainda não está do lado visível do sol vem emitido alguns flares interessantes, parece que promete. Vamos ficar de olho nela...
Rejaine Monteiro comentou
Aproveito para perguntar como se chama (em português) essa "faixas radiais" que aparecem nas imagens do Lasco C2/C3. As vezes elas ficam bem grandes e permanecem por vários dias, como no exemplo da foto ao lado. No site do SOHO diz que são "coronal streamers, those nearly radial bands that can be seen both in C2 and C3", mas não sei se entendi muito bem...
Administrador comentou
Não entendi bem, mas acho que você está se perguntando sobre as faixas brancas brilhantes, não? Se for isso, são partículas as ejetadas do Sol e fortemente ionizadas, sopradas pela ação dos ventos que partem irregularmente dos buracos coronais.
Rejaine Monteiro comentou
Isso mesmo, estava me referindo a essas "faixas" brancas e brilhantes. Essa da direita, por exemplo, na posição de 5hs está faz tempo desse jeito, bem destacada...
Administrador comentou
Exato Rejaine. Mas não espere por nomes em português. É uma terminologia que se houver tradução, cada um dará a sua. "fluxo Coronal", "feixe coronal", "sopro coronal", etc. Se no site do Soho diz "coronal streamers", então prefira essa forma, pois fica mais fácil de ser rapidamente entendida por quem acompanha o Sol.
Fernandombe comentou
ADM, já saiu algum novo modelo/cálculo que possa confirmar se o material ejetado irá ou não atingir a terra? Pelos meus cálculos caso atinja, será entre sexta e sábado aqui no Brasil. Vi alguns dizendo que a intensidade será grande caso ocorra. Alguém confirma?
Administrador comentou
Olá Fernandombe, considerando o dia da erupção, deve chegar na sexta-feira, mas não tem qualquer modelo ativo para confirmar. Pela posição em que se encontrava o filamento antes da ruptura, não deverá causar grandes perturbações por aqui. Em nossa página de atividade solar não há previsão de algo espetacular: [Ver no Apolo11] Abraço!
Fernandombe comentou
Obrigado ADM, acompanharei durante o dia. abraços!


    2
Rejaine Monteiro      
Atualização do post 105 sobre situação do vulcão na Islândia/Bardarbunga: cientistas, geólogos e jornalistas foram aconselhados a deixarem a região de Holuhraun, devido ao aumento da instabilidade sísmica. Há indícios também de houve aumento da intrusão de magma desde o início da atual erupção e foram notadas ainda várias rachaduras ao longo da geleira (foto) [Ver site]
Rejaine Monteiro comentou
Sequencia de imagens tiradas por um passageiro da "Air Iceland" mostram a dimensão da erupção em Holuhraun
Fernandombe comentou
180 tremores/terremotos foram detectados na área do vulcão desde ontem até meio dia de hoje. A fissura aumentou um pouco e extensão da lava aumentou consideravelmente, dá para ver pela imagem do infravermelho da NASA [Ver site]
Rejaine Monteiro comentou
Pois é Fernando, os tremores parecem estar diminuindo (já houve dias bem piores) A sensação que tenho, olhando as câmeras da Mila, é que a erupção em Holuhraun está se 'acomodando' ou então está se estendendo ao longo extensão da fissura (que está aumentando a cada dia) Imagino que, a medida que toda essa lava vai sendo ejetada através da fissura, a 'pressão' vai diminuindo. Talvez demore um bom tempo ainda para que tudo se acalme, vamos ver...
Fernandombe comentou
Vamos aguardar Rejaine, a fissura está aumentando bastante, talvez seja isso que tem diminuido ou segurado uma erupção de proporção maior. Mas, acho que, enquanto a pressão e fluxo de lava estiverem altos, com tremores acima da média e a fissura aumentando, o risco continua alto.
Rejaine Monteiro comentou
Bom dia. Duas novas fissuras eruptivas foram detectadas próximo a erupção atual em Holuhraun (na foto, erupção à direita) [Ver site]
Fernandombe comentou
Hoje foram +270 tremores (4,4 e 5,3 são os maiores), dia após dia eles intensificando, parece que está abrindo mais uma ruptura/fissura. A fumaça expelida aumentou hoje em comparação à ontem. Vamos acompanhando!
Rejaine Monteiro comentou
E parece que continuam surgindo mais focos de erupção. Essa que aparece no alto, à esquerda não estava ali a poucos minutos atrás (webcam da Mila)


    3
Alisson David      
Corrige a noticia do Apollo sobre o asteróide de alerta vermelho. esta escrito " passará 38400 da Terra mas não diz se é metros, kilometros, milhas. Visto que a Estação espacial esta a 400km da terra e a lua a 350mil km. 38 mil km é muito longe da terra.
Alisson David comentou
Noticia publicada no face fez milhares de sites repercutirem como novo fim do mundo.
Administrador comentou
38400 km, altura ligeiramente acima dos satélites geoestacionários. Um verdadeiro rasante. Mérito para a detecção antecipada.
Raphael Cozzi comentou
Já se tem uma ideia do tamanho dele? Eu li no Dailymail que ele é do tamanho de uma baleia.
Administrador comentou
Experimente: [Ver no Apolo11]
André Luís comentou
Rogério, se esse asteroide entrasse na atmosfera, chegaria a tocar a crosta terrestre com energia de 174 kilotons? o atrito da atmosfera significaria algo na dimensão final do objeto no impacto?
Administrador comentou
Andre, essa medida se chama "TNT equivalente" e é uma forma interpretável de entender a energia cinética de um objeto em movimento. Neste caso, a energia do asteroide, dada a sua velocidade e massa é equivalente à mesma energia contida em 129 kilotons de TNT. Se ele atingisse a superfície, liberaria essa energia equivalente, mas para vencer a atmosfera uma parte precisaria ser gasta.



Painelglobal.com.br - Todos os direitos reservados - 2008 - 2020
Política de Privacidade