Dias   1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12 | 13 | 14 | 15 |
16 | 17 | 18 | 19 | 20 | 21 | 22 | 23 | 24 | 25 | 26 | 27 | 28 | 29 | 30 | 31 |


    1
wilson de luca junior      
Boa noite a todos do pg.A descoberta hoje da estrela mais antiga do universo com cerca de 13,6 bilhoes de anos,por uma equipe cientifica australiana, determinaram a idade pela quantidade de ferro presente em seu espectro de luz. Alguem sabe informar como se faz essa medição. Muito obrigado.
Administrador comentou
Precisa de mais informações. Tem o link original da descoberta? Afinal, se eles tem a fonte de luz e o desvio para o vermelho, já dá pra calcular diversas coisas. Talvez, neste caso, tenham inferido a idade pela quantidade de elementos pesados restantes após a morte da estrela. Se tiver o link original seria mais fácil entender o método.
Claudio Benedict comentou
Bom dia a todos...Rogério essa noticia (09/02/2014) esta neste link [Ver site] No fim texto diz: "A descoberta foi publicada na última edição da revista Nature" e mais..."A história acima é baseada em materiais fornecidos pelo The Australian National University". Não procurei nem na Nature e nem em The Australian National University..quem sabe...?!?!
wilson de luca junior comentou
Rogerio o link e da Universidade Nacional Australiana, mais se eu entendi o que voce comentou,quanto menos elementos pesados no desvio para o vermelho mais antiga seria a estrela.é isso. Bom dia
Administrador comentou
Não é bem isso. Desvio para o vermelho é um efeito (efeito doppler) que se observa quando uma estrela (ou qualquer outro objeto) se afasta ou se aproxima do observador. Observando esse fenômeno foi possível inferir a expansão do universo e o afastamento das estrelas. [Ver site] Outra coisa é a composição química da estrela, cujos elementos vão decaindo a cada etapa de sua existência, em elementos mais pesados até o ferro. Aí é que deve entrar a análise mostrada, mas sem o paper não dá pra saber o que foi feito.
Administrador comentou
Eu li o artigo em português e pelo que entendi a estrela tem muito pouca quantidade de ferro, coisa que só é possível se for um objeto que teve origem após a extinção da primeira geração de estrelas supernovas. O que me chamou a atenção é que essa estrela - SMSS 0313-6708 - está a apenas 6 mil anos de nós, portanto dentro da via-láctea.
Ângelo Mendes comentou
Bom dia a todos. Interessante isso, pois eu sempre soube que uma estrela, quando começa a produzir ferro em sua fusão, ela tem apenas horas ou poucos dias de vida dependendo de seu tamanho. A produção de ferro através da fusão faz com que a estrela entre em colapso e faz o seu núcleo "desmontar" sobre si mesma com a ação gravitacional, fazendo-a explodir. a velha história de "e=mc2". Portanto, para identificar o ferro, ela já deve estar a produzi-lo em seu núcleo, ou não? Me corrijam se eu estou errado, por favor.
Claudio Benedict comentou
Será que isso tem alguma relação como o tipo dessa supernova "primordial", expansão do Universo e a velocidade de recessão das galáxias, isto é, se está aumentando ou diminuindo com o tempo, talvez isso possa explicar algumas coisas que não estão muito claras sobre o Big Bang, como o Rogerio disse, essa estrela ta muito perto, apenas 6.000 anos-luz...!


    2
masa      
Onda na praia do cassino Na tarde de domingo, na praia do Cassino no Rio Grande do Sul, uma onda assustou os veranistas. Ela arrastou os carros que estavam estacionados, e arrastou pertences. Isso aconteceu na praia Molhes da Barra, e tem vídeos que mostram o resultado. É chamado tsunami meterológico ou squall line e já aconteceu mais três vezes naquela praia sendo que em 1977 causou a morte de uma pessoa.
masa comentou
mais um video
Marcão comentou
Qual a possibilidade deste fenômeno ter relação com algum tremor registrado no Atlântico Sul?
Gui bnu comentou
Segundo o Professor de oceanografia geológica, Lauro Calliari, o fenômeno se deve a instabilidade do tempo na região (sol, nuvens e muito vento). Analisando o fenômeno, se fosse um tsunami que tivesse origem em algum tremor, os danos não seriam assim localizados.
Tomasz comentou
Não, definitivamente não. As ondas de tsunami causam muito mais impactos a região costeira, pelo simples fato de elas não quebrarem na praia e, assim, avançarem para dentro do continente com bastante força. Mesmo para pequenas ondas de tsunami, é como se nada no caminho as detivesse.


    3
Claudio Benedict      
Essa falta de esclarecimento sobre os recentes eventos climaticos incomuns no planeta será que tem alguma coisa a ver com o La Niña e o El Ninõ, digo isso porque acabei de ler que quase metade dos 57 bóias no oceano (TAO) estão falhando desde 2012, quando o NOAA, sob pressão orçamentária, aposentou um navio de manutenção dessas boias. Os cientistas estão agora recebendo apenas 40% dos dados que seriam coletados se todas as bóias estavissem funcionando corretamente. Isso afetou a capacidade dos pesquisadores para monitorar e entender grandes eventos provocados pelo El Niño e do La Niña no Pacífico, que foram conhecidos por alterar os padrões climáticos e ocasionar danos em todo o mundo e eu acho que todos se lembram disso. A perda de dados também podem estar afetando as previsões meteorológicas sazonais....Sei lá, é só um palpite...!
Johnny comentou
Estranho essa falta de investimento nesse monitoramento (até retrocesso), já que a questão do aquecimento global tende a piorar as coisas...(ou mesmo as teorias contrárias ao aquecimento global como a era inter glacial). De qualquer forma, é estranho esse retrocesso...
phellipef comentou
Desculpe a demora em responder. Respondendo o post 140. Claudio, em relação a onda de calor, para SP essa provavelmente e a pior ou uma das piores já ocorridas, essa e a primeira vez que São Paulo passa dos 35ºC por tantos dias consecutivos na sua história, até o ano de 1999, a cidade só tinha passado dos 35ºC, três vezes. Já no sul do país, apesar de poucos dados, há registros de ondas de calor piores do que está nos anos de 1958 e 1895 segundo o Coutinho (Climaterra). Em relação a seca, essa deve ser uma das piores também das últimas décadas no centro-sul, mas não chega nem aos pés da 1963, nesse ano choveu 894,9 mm em SP, sendo que a média e 1370 mm e em BH a seca foi ainda pior, choveu apenas 497 mm, sendo a média de 1500 mm. Brasília ficou mais de 160 dias sem chuva no ano de 1963. No mundo, este inverno tem sido frio em quase todo os EUA, com exceção da parte oeste do país. Porém invernos mais frios já foram registrados e nos últimos anos, os invernos no país foram fracos, então este está compensando os outros. O grande destaque nos últimos anos e a seca na Califórnia, uma das piores já registradas. Na Europa este ano o inverno tem sido relativamente fraco em relação aos últimos anos, porém mais tempestuoso, devido a maior ocorrência de ciclones atingindo o Reino Unido, Península Ibérica e França. Na parte leste da Turquia este e o pior inverno em décadas. Na Ásia o inverno tem sido normal, porém ocorreram alguns eventos significativos, como a neve no Irã e nevasca dos últimos dias no Japão. Na África o único evento significativo foi a neve no Egito no final do ano passado, porém nos anos de 829 e 1010 o Rio Nilo chegou a congelar em sua foz, o que mostra que o frio intenso na região já ocorreu outras vezes e até mais forte. Na Oceania, o destaque vai para o calor na Austrália, que registrou em 2013 o ano mais quente de sua história. Este ano tivemos uma forte onda de calor no país, porém não superou a do ano passado. Nos últimos anos estamos em Neutralidade no Pacífico, sendo que antes estávamos sobre o efeito do La Ninã e ambos costumam provocar eventos de frio, calor, seca e chuva mais extremados.
Claudio Benedict comentou
Phellipe...como sempre teus relatórios e publicações são excelente...valeu, mesmo...!!! Um grande abraço
Astroman comentou
Tudo normal então.
Administrador comentou
O que estamos vivendo é, segundo alguns climatologistas, uma anomalia rara, um evento extremo. Ontem, o Fantástico fez uma excelente reportagem sobre o problema. Bastante didática e com informações bastante pertinentes. A quem interessar, esse é o link do vídeo: [Ver site]
Claudio Benedict comentou
Ótimo..Tudo que foi dito ai nesse texto, no meu modo de ver não vai alem do óbvio, como esse trecho: "Uma imensa massa de ar quente e seco veio do mar, entrou pelo continente e estacionou sobre uma grande área do território brasileiro. Esse sistema de alta pressão forma uma espécie de parede atmosférica muito forte e bloqueia as frentes frias, que ainda se formam e vêm do pacífico, mas param quando chegam ao paredão. Quanto mais tempo dura o fenômeno, pior fica"..... Ilhas de calor tambem não são nehuma novidade. Esse outro trecho "E a água quente ajuda a aumentar o calor em terra" (simples troca de calor). A água quente fortalece o sistema de alta pressão, que por sua vez aquece ainda mais a água."...mais um: "Agora, sem umidade, não tem nuvem. Sem nuvem, não tem chuva.".... A explicação mais coerente seria, é simplesmente um fenômeno extremo com muitos que ja aconteceram...Não seria mais simples e mais esclarecedor...??? A resposta deve estar na dinamica e na física da atmosfera que ainda não conhecemos. A paleoclimatologia poderia nos dar mais informações...eu acho...!!! Economistas, meteorologistas e comentaristas de futebol são bons nisso, antes do fato falam um monte de coisas, depois do fato, falam óbvio...!!!!
Astroman comentou
Neve em Shangai também é raro, as inundações na Grã-Bretanha também são raras, as nevascas nos EUA com milhares de recordes de volume de neve e baixas temperaturas também é raro, a Austrália estar queimando já deixou de ser raro e por aí vai. A ocorrência de tantos eventos raros acontecendo ao redor do mundo em um espaço de tempo tão pequeno - 50 dias desde a mudança de estação - pode levar a se considerar que há um problema sistêmico no planeta. É a minha opinião. Todos os eventos raros sempre terão uma descrição/explicação. Sua simultâneidade ao redor do planeta ainda está para ser explicada.
Claudio Benedict comentou
Astroman...Exatamente...esses extremos estão acontecendo em todo planeta, não é uma coisa localizada e certamente tem uma explicação....!!!
Tico e Tuco comentou
Desculpem, mas não acredito em "raridade" não, há sim uma anomalia do sistema climático quq, tenho certeza, os cientistas já sabiam ou sabem da gravidade... Esse calor doido nos trópicos e o frio extremo no hemisfério norte será cada vez mais comum...
Tico e Tuco comentou
Essas anomalias são previstas por Hollywood há anos...sempre me pergunto se é só ficção ou se tem algo realístico. Sinceramente, acho que os cientistas já sabem e os governos não autorizam a divulgação.
Claudio Benedict comentou
Por favor, vamos deixar bem claro..! Longe de teorias catastrofistas e coisas do genero, estamos falando em fatos e possiveis explicações com argumentação e fundamentação científica...OK
Astroman comentou
Eu faria alguns questionamentos em busca de uma resposta lógica. 1. Qual o estado da Corrente do Golfo? 2. Quando do Polar Vortex nos EUA foi dito que tinha sido em consequência de um comportamento anômalo do jet stream. Questão: os jet streams estão todos alterados? Houve uma ruptura em seus comportamentos usuais? 3. Qual a situação de nossa magnetosfera? 4. Especulação: o interesse por Marte e pela medição do campo magnético da Lua e da Terra(missão européia) teria como principal motivação o entendimento do processo pelo qual passou o planeta vermelho que o levou a perder sua água? Como disse o Claudio, devemos manter o debate dentro de nossas limitações e sem catastrofismos.
Claudio Benedict comentou
Como o Astroman disse, são varios fatores que podem contribuir para esses "acontecimentos" climáticos e que ainda não sabemos quase nada a respeito, mas não podemos esquecer de um detalhe que aparentemente parece irrelevante, mas pense bem...! Com o aparecimento da Internet, ficamos sabendo de um desmoronamento em Liechtenstein ou uma chuva de granizo no Cazaquistão em tempo real. A velocidade e a quantidade de informações são tão grandes que demoramos para processar todos esses dados. Bem diferente de 40, 50 ou 100 anos quando as coisas aconteciam e só depois de muito tempo é que as noticias chegavam até nós, portanto a informação e de como ela é transmitida é parte importante nisso tudo. Em algum monento no passado provavelmente algo semelhante ao que esta ocorrendo hoje no mundo em termos climaticos já aconteceu, mas devido a velocidade com que tomamos conhecimento disso, digamos que potencializamos os fatos... É só uma opinião....!
Astroman comentou
Estimado Claudio - :-) - não creio que seja por aí porque milhares de recordes batidos nos EUA nesse inverno e outros tantos batidos no verão passado indicam que o que observamos é mais do que fruto da velocidade das informações.
Claudio Benedict comentou
Oi Astroman, muito provavelmente tu tenha razão e faz sentido o que tu escreveu, como eu disse é só uma opinião sem pretenção alguma...Abraço
Loyola comentou
Há 3 anos aconteceram grandes deslizamentos no litoral do Paraná. Chuvas intensas e localizadas. Em seguida começaram as notícias de aquecimento global, da culpa do homem, etc. Só que os fatos foram absolutamente naturais. Por sorte havia acontecido fato semelhante no início do século passado, inclusive com registros fotográficos. Foi possível desmistificar. Um colega meu comenta que é possível que estejamos em um período de mudança da curva das temperaturas médias, com isso, como em uma curva estatística, há picos para cima e para baixo da curva (extremos), até que a mesma se equilibre novamente.
Jorge Oliveira. comentou
Boa noite a todos..Vejamos tbem o outro lado.. Me parece que estamos enfrentando os tão falados extremos climáticos,as tão faladas mudanças radicais no clima..Sem querer fazer uma apologia ao catastrofismo mas da mesma forma não querendo fechar os olhos para evidencias tão claras de que os atuais eventos climáticos estão nos surpreendendo de forma negativa sobre suas intensidades e períodos de duração. Não me parece menos importante tomarmos uma postura de adaptação e prevenção sobre os efeitos destes eventos em nossas vidas.Acredito elogio e tenho muito respeito pelas pesquisas feitas e as que estão sendo realizadas no momento,porem tais pesquisas e estudos trabalham por um lado do problema(pesquisar,entender,prevenir e alertar) Mas este é o lado da ciência,da pesquisa,do estudo, é a nossa inteligência em âmbito global pesquisando para compreender as causas e efeitos.Mas temos a obrigação de tbem fazermos nossa parte (ESTE É O OUTRO LADO DO PROBLEMA) Nós podemos amenizar os efeitos tendo uma consciência de preservação pessoal,tomando os devidos cuidados em nossas rotinas diárias(visto que evidentemente estamos passando por um momento REAL de extremos climáticos)Ao meu ver delegar somente a ciência a responsabilidade de nossa saúde e integridade pessoal me parece soar como um modo irresponsável porem confortável de dizer..”A ciência é que sabe”Sabemos dos efeitos dos raios UVs,sabemos do perigo de uma tempestade de raios,sabemos que construção em áreas de risco é evidencia de calamidade,sabemos que desidratamos com facilidade em temperaturas altas,sabemos que doenças respiratórias são afetadas pelo clima....sabemos de tantas coisas..( Este é o nosso lado,já que nem todos nós somos cientistas) e o outro lado que falo...o Lado da adaptação,da prevenção e principalmente da nossa PRESERVAÇÃO..vamos nos atualizar,nos informar e nos prevenir,sugiro que façamos a nossa parte, Um Abraço a todos..( e CLAUDIO prazer em telo de volta..)
Claudio Benedict comentou
Ola Jorge...o prazer é meu...Grande abraço...!
Astroman comentou
Adaptação me parece uma palavra adequada para um momento que parece ser de reequilíbrio, como o Loyola citou. Só tenho para mim que está em andamento uma transição para um "novo normal" e que o "antigo normal" está ficando para trás.
Marcão comentou
Já ví em um documentário (não sei se posso dizer o nome do canal) sobre alguns eventos que podem ocorrer antes de uma Mini Era Glacial, e de acordo com cientistas os períodos de invernos cada vez mais frios e verões cada vez mais quentes é um dos eventos plausíveis de acordo com registros históricos. Procede?
Jorge Oliveira. comentou
Sim Astroman concordo..Adaptação sobre um novo normal talvez..porem conscientes que todos tem sua parte de responsabilidade..Nossas ações vão definir as consequências sobre nós..(de forma única e pessoal)sabemos que as mudanças são reais,então vamos nos adaptar de forma individual tbem, nos preservando em nosso dia a dia,em nossas novas rotinas de segurança..este é o outro lado do problema ao meu ver..de um lado a ciência trabalhando e do outro nós individualmente nos adaptando em novas rotinas do nosso dia a dia..visando evidentemente nossa preservação..Um abraço.!
jvcastro comentou
Phellipef, muito interessante seu relatório. Porem uma informação aguçou minha curiosidade. Qual a fonte sobre o congelamento da foz do Nilo?
phellipef comentou
Nestes sites JvCastro: [Ver site] [Ver site]


    4
Tico e Tuco      
[Ver site] essa simulação era para daqui uns 40 anos. Alguma semelhança com agora????????


    5
Tico e Tuco      
Não enviou qualquer texto... Que pena!
Tico e Tuco comentou
o link está no post abaixo "ver site"


    6
Claudio Benedict      
Voltando ao tópico 147. Se na sua cidade o céu esta limpo, faça um favor a voce mesmo...da uma olhada pra cima...Lua mag: -11.3. Júpiter mag: -2.6...!
jvcastro comentou
Obrigado. Tinha esquecido. Um abraço.
Polyana Silva comentou
Obrigada,o céu da minha cidade está maravilhoso!
Claudio Benedict comentou
Sou péssimo em astrofotografia, mesmo porque meus conhecimentos em captura de imagens fica beirando ao ZERO, mas mesmo assim eu fiz questão de registrar essa imagem com uma camera digital simples e sem recurso algum...!!!
Rejaine Monteiro comentou
Dei uma "espiada" mais cedo, por volta de 21h, mas uma nuvem teimosa atrapalhou um pouco. Ainda assim, consegui ver, através de um binóculo 10x50, as luas de Jupiter, ainda q com dificuldade, por causa da tremedeira (preciso comprar um 7x50) e a tal nuvenzinha esfumaçada. Valeu a pena também olhar a Lua, que tava linda (alias, como sempre!!!)
Sel comentou
Show Claudio! :)


    7
Helios      
Excelente o relatório do Phellipef. Concordo totalmente com o Claudio! Especular é facil, quero ver é apresentar dados que realmente faça algum sentido. Muita gente que tem conhecimento de sobra esta apostando no Armagedom. Uma diz que a qualquer momento um super terremoto vai devastar Portugal, outro diz que estamos entrando na era do Gelo. Quero ver os dados, a pesquisa, a teoria que faça sentido, do contrario vou ficar só nos filmes de ficção mesmo.
Helios comentou
A minha fala é referente ao post. 151, era pra ser um comentário e acabei postando.
phellipef comentou
Obrigado Helios e Claudio. :) Vou aproveitar seu post para falar da onda de frio que vai atingir os EUA e do Nor'easter que deve se formar. A onda de frio deve afetar principalmente o sul e a costa leste dos EUA, onde avisos e alertas já foram emitidos. O frio não será muito intenso, o destaque deve ficar para a queda de neve, granizo e ocorrência de chuva congelada. Os estados mais atingidos pela tempestade deverão ser a Geórgia e as Carolinas do Norte e do Sul.
phellipef comentou
Na quinta existe a possibilidade de formação de um Nor'easter na costa leste do EUA, o que poderia causar ou chuvas ou neve significativa para a região, porém ainda e cedo para afirmar, pois isto dependerá se a baixa vai ficar mais próximo da costa ou longe. Imagem: 28storms.com
phellipef comentou
Imagem: 28storms.com do possível formação do Nor'easter.
phellipef comentou
Outra grande tempestade deve impactar a França, Grã-Bretanha e Espanha entre sexta e sábado.



Painelglobal.com.br - Todos os direitos reservados - 2008 - 2021
Política de Privacidade