Quinta-feira, 23 jul 2020 - 17h41
Por Maria Clara Machado

Três grandes nuvens de gafanhotos são monitoradas na América do Sul

Mais duas nuvens de gafanhotos começaram a ser monitoradas nos últimos dias. A primeira grande nuvem que surgiu em maio continua sobre território argentino mais perto do Brasil. Os milhares de gafanhotos permanecem na província de Entre Ríos a cerca de 90 quilômetros do município gaúcho de Barra do Quaraí, segundo informações recentes da SENASA.

Gafanhoto da espécie Schistocerca cancellata. Duas grandes nuvens estão sobre a Argentina e uma no Paraguai. Crédito: Divulgação SENASA.
Gafanhoto da espécie Schistocerca cancellata. Duas grandes nuvens estão sobre a Argentina e uma no Paraguai. Crédito: Divulgação SENASA.


O governo do Rio Grande do Sul monitora com atenção a situação, pois ainda há risco dos insetos se moverem em direção ao Brasil. Caso isso aconteça, cerca de 70 aviões agrícolas com inseticidas já estão preparados para combater imediatamente a praga sobre as lavouras.

Técnicos da EMBRAPA explicam que a nuvem de gafanhoto se desloca geralmente de 10 a 20 quilômetros por dia, mas com a ajuda dos ventos, pode percorrer até 100 quilômetros num único dia.

As condições meteorológicas atuais, com ventos de sul, são uma ameaça já que poderão empurrar a nuvem em direção ao Rio Grande do Sul. O Uruguai também tem a mesma preocupação com a proximidade da nuvem e monitora os insetos.

A grande nuvem de 400 milhões de gafanhotos migrou do Paraguai para a Argentina entre maio e junho destruindo lavouras inteiras. Os insetos ficaram estacionados por quatro semanas na província de Corrientes, antes de avançarem para Entre Ríos na segunda quinzena de julho.

Segunda nuvem de gafanhotos
O Serviço Nacional de Sanidade Vegetal do Paraguai (SENAVE) emitiu alerta no início da semana para a segunda nuvem de gafanhotos que apareceu na região do Chaco Central Paraguaio, entre os Departamentos de Boquerón e o Alto Paraguai, no norte do país, nas mesmas proporções da nuvem anterior.

A preocupação neste caso seria a proximidade da nuvem do estado brasileiro de Mato Grosso do Sul, embora a circulação dos ventos nesta época do ano tende naturalmente mais uma vez direcionar a nuvem para a Argentina.

Terceira nuvem de gafanhotos
A terceira nuvem de gafanhotos, também vinda do Paraguai, já está em território argentino, na província de Formosa e começou a ser monitorada na última terça-feira, dia 21, pelo Serviço Nacional de Saúde e Qualidade Agroalimentar (SENASA).

O vento norte permitiu o movimento da nuvem nos últimos dias e a região também está em alerta.

Espécie Schistocerca cancellata
Os gafanhotos são da espécie Schistocerca cancellata e quando em bando atacam lavouras inteiras em pouco tempo.

Especialistas afirmam que fatores relacionados ao clima como temperatura e precipitação, mais especificamente o tempo quente e seco, direção dos ventos, além da falta de predadores naturais, são apontados como algumas possíveis explicações para a mudança de comportamento e a migração dessa enorme quantidade de gafanhotos. Outros estudiosos também defendem que estas manifestações fazem parte do ciclo da espécie.



Procure no Painel


Links Úteis  |  Imprensa  |  Anuncie  |  Fale Conosco  |  Versão Celular  |   Política de Privacidade

Painelglobal.com.br - Todos os direitos reservados - 2008 - 2021